Já que no Pego tivemos que nascer...Somos pegachos até morrer.

Artesanato

De todo o artesanato outrora existente no Pego apenas perduram no tempo os palmitos, os santinhos do Pego (Registos), os empalhados, os trabalhos bordados e as rendas. O “palmito” é uma palma em miniatura e daí o seu nome. Há quem lhe chame também “rosa”. É um pequeno ramo de flores e folhas artificiais. Outrora usado para enfeitar a casa, hoje é usado como última homenagem nos funerais. A partir de estampas de santos, vidro, cartão, papel e alguma imaginação, nasceram os santinhos para decoração das “casas de fora”.

Mas no Pego a tradição de bordar não se perdeu, bordar quadros sobre linho, a ponto de pé-de-flor, a cheio e nozinhos, com cores vermelha, amarela e creme. Trabalhos de bainhas abertas, bordados em toalhas, colchas, cortinados,napperons,são verdadeiras obras de arte.

Os empalhados é um outro tipo de artesanato. Consiste no empalhamento de cadeiras, bancos, cadeirões e almofadas para mesas. A matéria prima utilizada é a atabua ou bunho, planta que cresce em águas paradas e pântanosas. Depois de apanhado a matéria prima, esta é posta a secar. Depois de seca é aberta e retiram-se-lhe as folhas. Antes de ser utilizado, a atabua ou o bunho, é humedecido por forma a não partir e a tornar-se mais maleável.

 
  • Como ir - de carro a melhor maneira de chegar ao Pego é ir na direcção de Abrantes através da A23, a que se tem fácil acesso pela A1 no nó de Torres Novas. O Transporte público está assegurado pelo comboio (CP) ou de autocarro.
  • O que visitar - Igreja Paroquial de Santa Luzia, Capela do Senhor dos Aflitos e as casas tipicas.
  • Onde Comer (pratos tipicos)
  • - Ti Pedro
  • - Claudino
  • - Pechalha
  • - O Bento
  • Especialidades - Enchidos, bucho e tripa, orelha, febras, entrecosto, coração, lingua e entremeada.
  • Outra Gastronomia Pegacha - Migas Carvoeiras, Migas de Couve, Couves com Feijão, Bolo Amassado, Coscorões, Arroz Doce, etc.