Já que no Pego tivemos que nascer...Somos pegachos até morrer.

Origem

Desde a pré-história que ficaram vestígios de ocupação humana no Pego, por exemplo nos Cascalhos. Os romanos também deixaram vestígios, por exemplo nos Negrinhos e nos terrenos férteis de Coalhos. Mas uma povoação com o nome de Pego é desconhecida no tempo apenas, até ao momento em que é referida num documento de 1332, portanto no século XIV.

Carece, portanto, de fundamento a pretensão de colocar a origem do Pego quer nos ciganos (pois estes chegaram a Portugal apenas na 2ª metade do século XV) quer em habitantes da Nazaré que aqui se teriam vindo fixar (pois a Nazaré, ao que parece, não terá surgido antes do século XVI). Nesta data mais precisamente em 1517, já o Pego era uma das localidades mais importantes do concelho, com 53 fogos. Refira-se ainda que no mesmo “Livro de Posturas” surge designado o “porto de Coalhos”. Também o porto do Pego terá tido uma actividade significativa. Ainda hoje a toponímia local apresenta a o Porto dos Pescadores e a Rua da Barca, e da igreja paroquial sai todos os anos em procissão, a 15 de Agosto, um original andor em forma de barco. Na margem do Tejo ainda podem ver-se os restos de fornos de cal e na década de 80 surgiram ruínas, do que parece ter sido também um forno.

Pensa-se que o nome Pego deriva da palavra “péliges” (poço fundo), embora o seu nome pode derivar do latim “Pelagus”, ou do Grego “Pelagos”.
Sem dúvida, a partir do Pego Fundo (Barca do Pego), que existia, e ainda existe, no ponto em que nasceu a Póvoa, (talvez ali, bem perto, tivesse existido outrora um castro, ou uma civitas romana, que podem ser de uma vila, ou algo mais).

Há ainda uma lenda sobre uma bela Pegacha que foi vender fruta ao castelo de Abrantes, onde um capitão Francês ficou surpreendido com a sua beleza. Como sinal de reconhecimento ofereceu-lhe uma bolsa de ouro, dizendo em mau Português “Pegue”. Diz-se que a partir deste acontecimento os habitantes passaram a chamar ao Pego – Pegue.

 
  • Como ir - de carro a melhor maneira de chegar ao Pego é ir na direcção de Abrantes através da A23, a que se tem fácil acesso pela A1 no nó de Torres Novas. O Transporte público está assegurado pelo comboio (CP) ou de autocarro.
  • O que visitar - Igreja Paroquial de Santa Luzia, Capela do Senhor dos Aflitos e as casas tipicas.
  • Onde Comer (pratos tipicos)
  • - Ti Pedro
  • - Claudino
  • - Pechalha
  • - O Bento
  • Especialidades - Enchidos, bucho e tripa, orelha, febras, entrecosto, coração, lingua e entremeada.
  • Outra Gastronomia Pegacha - Migas Carvoeiras, Migas de Couve, Couves com Feijão, Bolo Amassado, Coscorões, Arroz Doce, etc.